Bem-vindo! Terça, 22/08/2017.
Agora na TV / / + programas
Busca
Tempo em SC

Saúde

COLUNISTAS

Ver todos
18/05/2017

Saúde

SC tem regiões com elevado risco de transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus

SC tem regiões com elevado risco de transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus Imagem: Divulgação internet
Por Secom

Mesmo com período de poucas chuvas e temperaturas baixas, algumas regiões de Santa Catarina apresentam elevado risco de transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus pelo alto índice de infestação de Aedes aegypti. Foram identificados 6.281 focos do mosquito, em 128 municípios catarinenses, entre os dias 1º de janeiro e 6 de maio deste ano – quase 1.000 a mais do que fora identificado no mesmo período de 2016.

“Apesar dos poucos casos confirmados das doenças, a grande maioria dos municípios infestados está com condição vetorial para iniciar a transmissão a qualquer momento”, alerta João Fuck, coordenador do Programa de Controle da Dengue em Santa Catarina, vinculado à gerência de Zoonoses da Dive/SC. “Eles têm depósitos com água e a presença de mosquito”, complementa, referindo-se ao resultado do Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), realizado pelos municípios infestados no mês de abril. Dos 49 municípios que concluíram o levantamento, 14 foram considerados com baixo risco para transmissão, 24 com médio risco para transmissão e 11 com alto risco para transmissão.

Potenciais Criadouros

No levantamento, 30.743 depósitos que continham água parada foram inspecionados, ou seja, todos potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti. A maioria era lixo ou sucata (9.837 - 32%), e depósitos móveis, como balde, prato de planta, bebedouro de animais e reservatório de geladeira (9.810 - 31,9%).

“Esses dados revelam o quanto todos temos que manter a vigilância sobre nossas casas, o nosso local de trabalho e as nossas ruas, mesmo em períodos de baixa temperatura. Uma tampinha de garrafa exposta à chuva oferece condições para a proliferação do mosquito”, exemplifica João.

O objetivo do LIRAa é a identificação do tipo e a quantidade de depósitos encontrados que possam ser potenciais criadouros do mosquito nos imóveis vistoriados. O LIRAa prevê a vistoria de uma amostra de 20% do total de imóveis existentes no município e calcula o índice de infestação considerando imóvel com larva de Aedes aegypti/100 imóveis. O levantamento é realizado anualmente nos meses de abril e novembro, por orientação da Estratégia Operacional para Prevenção e Controle da Dengue, Febre de Chikungunya e do Zika Vírus no estado de Santa Catarina. 









Últimas Notícias

Saúde

Saúde assina convênio de R$ 21,6 milhões com Hospital Regional de Chapecó

Saúde

Números preocupantes em Santa Catarina, em apenas 15 dias, 121 novos focos do mosquito Aedes aegypti foram identificados no estado

Saúde

Centro Integrado de Saúde é inaugurado em Itajaí